Hotel Internacional
— desde 1905 —

Na esquina que faz coincidir duas das mais emblemáticas ruas da Baixa do Porto —a Rua da Fábrica e a Rua do Almada— impõe-se um vultuoso edifício construído no século XIX. Classificado pela UNESCO como Património Mundial pelo seu valor arquitectónico, cultural e histórico, aloja actualmente o Hotel Internacional e o restaurante Almadinha, conhecido por um singular cruzamento entre tradição e qualidade de serviço. O Hotel Internacional foi fundado em 1905, tendo passado por diversas gerências até 2014, ano em que foi adquirido pelo grupo Barrias.

O Hotel Internacional não foi, porém, o primeiro inquilino famoso do edifício que, entre 1820 e 1880, acomodou um dos mais concorridos cafés da Invicta daquele tempo, o famoso Botequim das Hortas, que possuía uma ampla sala de bilhar no 1º andar, bem como três grandes salões: um para a burguesia, outro para os artistas e outro para a plebe. Fundado por Domingos José Rodrigues, era frequentado assiduamente por figuras célebres como Camilo Castelo Branco.

Sobre o movimentado café, que deve o seu nome à Rua das Hortas —nome original da Rua do Almada, devido à sua proximidade com a Praça das Hortas, actualmente a Praça da Liberdade— escreve Ramalho Ortigão: “O velho Botequim das Hortas, em que à noite se jogava o loto, a vintém o cartão, e que, ao abrir-se uma das suas portas envidraçadas, guarnecidas da cortininha de cassa branca, enchia de um picante perfume de calda de capilé e de café torrado a rua toda…”.

Já no primeiro andar do edifício encontrava-se nessa época a sede da Sociedade Filarmónica Portuense. Inaugurada em 1840 por iniciativa do pianista e compositor Francisco Eduardo da Costa, a Sociedade desempenharia um papel fundamental na programação e divulgação musical do Porto, organizando inúmeros concertos e recitais onde convergiam talentos emergentes e músicos consagrados. Em 1880, a Sociedade Filarmónica Portuense fundiu-se com o Clube Portuense, dando mais tarde origem ao Grémio Portuense, e voltando de novo a adotar o nome de Clube Portuense, designação que mantém até á data presente.

A família Barrias, que além do Hotel Internacional gere hoje em dia numerosos estabelecimentos de renome, tem as suas inclinações bem enraizadas no passado. Cabeça das empresas familiares com raízes em Vila Real, foi a paixão de Agostinho Barrias pelos cafés históricos que possibilitou a recuperação de espaços de referência como o Majestic e o Guarany. Mas os Barrias têm também, desde sempre, os olhos bem postos no futuro: além de empreendimentos como o Hotel Aliados, Hotel Pão de Açúcar, Hotel Vera Cruz, a agencia de viagens Majestur e várias confeitarias —que fornecem os seus vários cafés e hotéis— encontram-se actualmente em preparação novas surpresas para o Porto, que a seu tempo desvendaremos nos próximos capítulos desta história.


Descubra o início desta história no Majestic Café →  
Hotel Internacional

 

2018-06-13T15:53:33+00:00