Don Lopo
— desde 2017 —

Se durante uma passeata pelo Porto reparar numa curiosa torneira conspicuamente pendurada numa parede, saiba que está ao lado da Rua dos Caldeireiros, nº 43. Esta movimentada rua alberga vários negócios, entre eles a Don Lopo, uma concept store criada por Paulo e Maria Ribeiro.

Paulo apresenta um percurso profissional variadíssimo. Nos primeiros anos da sua carreira trabalhou na loja dos pais, na rua Costa Cabral. De seguida trabalhou na fábrica do pai durante dez anos, como agente de métodos e tempo e como encarregado de produção e de qualidade. Os próximos passos do seu percurso levaram-no para a esfera comercial, onde vendeu produtos variados, desde roupa a baterias, e mesmo empilhadores. Teve uma empresa de serviços de gestão de condomínios, jardinagem e conservação de edifícios. Deste modo, Paulo adquiriu competências que lhe permitiram formar uma perspetiva mais abrangente acerca dos clientes e do próprio funcionamento de um negócio. Maria, por sua vez, sempre esteve ligada à moda, tanto na área da produção, como da comercialização.

Segundo Paulo, foi esta experiência conjunta no mundo do vestuário que os inspirou a criar a marca Don Lopo, contudo este continuava a ser um sonho esquivo. A conjuntura nunca se apresentava favorável. Fossem as contas para pagar, os impostos ou o investimento inicial, tudo parecia remar contra a maré. As novas rendas exorbitantes da Invicta também não facilitavam o processo. Porém, foi precisamente neste ponto que o sonho ganhou forma. Ao prospetar possíveis espaços, o casal encontrou o antigo local do primeiro hospital do Porto, construído circa 1500, que, por força das extensas obras que necessitava para ficar operacional, tinha uma renda mais acessível.
O casal agarrou a oportunidade e passados onze meses trabalhosos, tinham a casa pronta a abrir portas, a 1 de Dezembro de 2017. O nome Don Lopo (do hospital) foi mantido por ser facilmente reconhecido entre os portuenses.

O resultado final é bastante impressionante, demasiado impressionante por vezes. Passamos a explicar: alguns transeuntes julgam que é necessário pagar para fotografar a imponente fachada ou visitar o elegante interior, com uma iluminação sublime que deixa antever tanto os originais artefactos que decoram a loja, como a fusão interessante de materiais de construção antigos e modernos. O casal, contudo, mantém as portas convidativamente abertas a todo o tipo de público e este, foi também um aspeto curioso para Paulo. Antecipava um tipo de cliente muito bem definido e, na verdade, acabou por ter uma panóplia de visitantes nacionais e internacionais. Quiçá esta afluência seja uma consequência do próprio conceito da loja: a comercialização de peças de qualidade a preços competitivos, sendo algo que Paulo identifica em falta na cidade do Porto.

Devido à dimensão do espaço, Paulo e Maria resolveram ainda alocar uma pequena área para alfaiataria por marcação e outra para produtos regionais de Trás-os-Montes da Quinta d'Ameã. O grande desafio deste tipo de negócio consiste em fidelizar o cliente e a experiência tem sido, até agora, positiva, porque quem compra na Don Lopo tende a regressar. Know how e requinte de portas abertas a quem visite a Invicta.  
Don Lopo

 

2018-06-11T09:59:34+00:00