Duvália
— desde 1984 —

A Duvália, localizada na Rua do Campo Alegre, nº 654, no Porto, é um estabelecimento bastante eclético. Mal se entra no espaço, damos de caras com um quiosque, à semelhança da prática comum dos restaurantes mais antigos da cidade. No resto da casa encontramos também as vertentes de pastelaria, mercearia e um restaurante. Este último representa a função original do negócio, iniciado, em 1978, por Joaquim Tomé que, ao regressar das colónias além-mar, resolveu batizar a sua aventura comercial com o nome das plantas da família duvália, abundantes no continente africano.

Em 1984, José António Pinto, juntamente com os pais, passaram a gerir o estabelecimento. Compensava o que lhe faltava em experiência com o entusiasmo e vivacidade dos seus 20 anos. Os pais tinham uma pastelaria no Porto, em que José ajudava nas horas vagas, mas a restauração propriamente dita era uma novidade para os três. A casa passou por algumas transformações ao longo dos anos, que lhe foram adicionando diversidade de funções. José identifica alguns momentos chave na evolução do negócio, que representam o olhar de quem já trabalha no ramo há 35 anos.

Quando tomaram as rédeas da Duvália, a restauração do Porto estava subdesenvolvida, existia pouca oferta. Esta situação inverteu-se anos depois, porém, após esta época dourada José começou a perceber que os portuenses começaram a perder o hábito de 'ir tomar um cafezito' à noite. Lamenta esta tendência, até porque para ele, a convivência faz parte do negócio e são os fregueses que o motivam a manter e melhorar a casa. A maioria deles são profissionais de várias áreas que vêm à Duvália todos os dias. Os pedidos são praticamente adivinhados e a clientela é tratada por 'tu', mas tal facto não é de espantar, uma vez que grande parte do staff trabalha no estabelecimento há mais de 20 anos. Aqui ninguém chama pelo 'empregado'. Chamam, sim, pelo Manuel Pinto ou pelo Álvaro Osório, por exemplo. O espaço é amplo e dispõe de uma esplanada que até no Inverno é apetecível, ao passo que o interior deixa antever o cunho pessoal de José que foi ao longo dos anos, reformulando a casa.

Todavia, a diversidade da Duvália não se afigura apenas nas funções que desempenha e nas visitas que recebe. Os pratos aqui confecionados também abrangem um grande espectro ao aproveitar as especialidades típicas de todo o país, especialmente do norte, desde os rojões à moda do Minho, passando pelo cozido à portuguesa, tripas à moda do Porto, chanfana de cabrito à beirão, arroz de pato e bacalhau à Zé do Pipo. Os doces estão mesmo no balcão ao lado. A pastelaria tradicional, confecionada no próprio estabelecimento oferece uma excelente escolha para o final da refeição.

A zona do Campo Alegre tem sofrido diversas alterações ao longo do tempo. Já foi uma zona repleta de comércio e serviços, ao passo que hoje em dia é um pouco mais residencial. Negócios como a Duvália, continuam, contudo a prosperar, porque afinal no comércio de proximidade, o que conta são as pessoas e neste estabelecimento 'toda a gente se conhece'.  
Duvália

 

2019-01-09T14:55:04+00:00